domingo, 7 de dezembro de 2014

Na metade do caminho

Google Imagens*

Quando comecei esse blog, inicialmente, meu diagnóstico era depressão moderada e ansiedade generalizada. Eu sabia que havia algo de muito diferente comigo, mas não entendia o que. Ao final de 2014 foi confirmada que todos meus sintomas e graves crises, na verdade, eram parte do que a psiquiatria chama de transtorno da personalidade borderline e, enfim, a partir de 2015 eu pude encontrar o tratamento correto


"Tinha uma pedra no meio do caminho..." Pedras no meio do caminho são muito comuns. Mas como saber que você está no inicio, no meio ou no fim? Infelizmente eu não tenho nenhuma resposta pronta para você, pois isso é muito intuitivo e pessoal, só sei que sentimos em algum lugar intacto dentro de nós quando encontramos O caminho. 

Eu me sinto dentro de um "dilema dos 50%". Metade de mim está com vontade de desistir de tudo e voltar atrás, para o lugar não-tão-confortável (porém conhecido) que costumava ser minha vida. Outra metade de mim tem uma força e uma vontade enorme de seguir em frente e saber o que afinal há neste novo caminho que parece espetacular. Eu estou bem no meio disso. Parada na metade do caminho observando essas duas metades disputarem espaço dentro de mim. 

Quando eu sinto que haverá confusão, então sei que é hora de sentar e silenciar a mente. Na meditação eu consigo ser a observadora de toda essa dualidade e, apesar de estar com os olhos fechados, eu consigo ver a realidade. A metade que quer desistir é o meu não-eu (ih, vai começar esses papos estranhos...), apenas um senso mal construído de "eu" que foi desenvolvido desde que nasci e tem mais influencia do ambiente e pessoas externas do que algo genuinamente meu. Ela está com medo, sentindo-se impotente e desconectada do mundo. Ela tem medo de seguir adiante porque não sabe o que acontecerá. Ela tem medo de perder. Ela tem medo de ser a escolha errada. Ela tem medo do que vão falar. Ela tem medo, medo e mais medo. Ela é só medo, censura, bloqueios, enfim, ela É a pedra! Uma pedra que não quer sair do caminho!

Então, tem a outra metade. Ah, essa é tão diferente! Eu já a vi algumas vezes entrar em ação, principalmente em situações em que minha vida esteve em perigo. Ela é forte, decidida, sensível e não se importa com a crítica ruim. Ela basta-se. Ela É. Esse é o Eu verdadeiro. Aquele com quem eu nasci e irei morrer. Aquele que sente-se em paz por ser quem é, não importa o que pensem ou falem de mim. Essa metade simplesmente vive o agora. Deu pra entender, gente? Isso é estar na metade do caminho. É quando você reconhece que existem muitos "eus" dentro de você para gerenciar, mas só UM gerencia isso. E ele é o Eu verdadeiro, impossível explicar, mas a meditação é um dos caminhos que te leva a isso. Tente uma vez. Experimente. E depois me conta como foi, ok?

Um comentário:

  1. Interessante seu post. Estava pensando um pouco sobre isso esses dias e hoje também, por conta de algumas das chateações do dia a dia. Estava naquela: "antes pelo menos eu não precisava passar por isso" mas o que tenho feito esforço para fazer agora é justamente voltar a ser a pessoa que eu era antes de tudo começar. Não sei também onde estou nesse caminho mas certamente voltar ao "conforto" não dá mais. Acho que, de certa forma, foi esse "conforto" que trouxe várias das questões que tenho hoje. Talvez tenha sido o mesmo com vc...

    P.S.: desculpe pela história q comecei a contar lá te fazer lembrar coisas ruins

    ResponderExcluir

Sinta-se a vontade para comentar, apenas não seja grosseiro.
Se quiser me escrever, envie e-mail para blogenlouqueser@gmail.com , mensagens hostis/sem propósito não serão respondidas.

Pesquisar este blog