terça-feira, 10 de maio de 2016

Pensamentos sobre o vazio




Há algumas semanas atrás eu estava em crise, lutando pela minha vida, mais uma vez. Foram momentos críticos em que eu acreditei que não viveria. Mas estou aqui, surpreendida pela minha própria capacidade de superação. A crise passou e eu estou sem dissociação há um longo espaço de tempo. É bom ter uma personalidade e memórias integras e não me transformar em "outra pessoa" para meus entes queridos. 

O motivo pelo qual estou escrevendo agora é que o vazio é algo que permanece. Não importa o que melhore ou piore, ele não se move um milímetro. Eu posso me sentir a pessoa mais feliz do mundo por um minuto, mas, lá no fundo, eu consigo sentir o peso do vazio. Eu não entendo de onde essa sensação vem, só sei que a sinto desde muito cedo, aliás, desde que me conheço por gente, e, talvez, isso não tenha uma solução. Se os remédios, a terapia e todas essas ferramentas não diminuíram nem um centímetro dessa sensação, o que mais poderá ser feito? 

Ás vezes eu me desespero. O vazio é muito avassalador. Ele massacra quando entro em contato comigo mesma, e é pior se estou sozinha, mas não importa, estando sozinha ou não, ele vem. Eu me sinto como se eu pudesse ser jogada no fundo do mar, sentindo a pressão, de dentro para fora. Ansiedade, angústia, tristeza. Parece que se eu visualizar todo esse vazio, eu não vou suportar, então eu fujo. Eu bebo, eu compro, eu faço qualquer coisa que me faça distrair disso. Nem sempre faço coisas saudáveis, mas eu faço o que eu posso. Antigamente me sentia culpada, hoje sei que "é uma coisa de cada vez". Eu não posso dar mais do que tenho. E o que eu tenho agora é isso. Eu só consigo suportar até determinado limite, depois eu preciso de ajuda. A pergunta que me faço é até quando esse limite é suportado? Será que existe uma hora que o vazio se transforma em algo que não será mais notado?

4 comentários:

  1. Entendo exatamente o que você sente e o que você passa, acredito que só quem sente é que pode saber.
    Fique em paz...
    bjinhos
    www.diariodagikinha.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Estou sentindo isto também,acho que isso acontece por criarmos expectativas demais de tudo que está por fora e de menos do que está dentro de nós , de nós mesmos... agora como se auto resgatar? Se eu descobrir te conto :)

    ResponderExcluir
  3. Michele seu blog foi um achado valioso e, esse post em particular resume tudo o que venho sentindo durante muito tempo. Encontrei sua página durante uma crise, enquanto vasculhava a web atrás de algo que me motivasse. O vazio permanece salpicado por pequenos momentos de alegria. É basicamente isso. É reconfortante saber que alguém do outro lado sente algo parecido, isso diminui a solidão.

    ResponderExcluir
  4. Michele tudo que disse é exatamente como me sinto,um vazio sem fim, não aguento tanta solidão.

    ResponderExcluir

Sinta-se a vontade para comentar, apenas não seja grosseiro.
Se quiser me escrever, envie e-mail para blogenlouqueser@gmail.com , mensagens hostis/sem propósito não serão respondidas.

Pesquisar este blog